Algo aproxima o ex-governador Robinson Faria do presidente Jair Bolsonaro na discussão sobre a formação da chapa de oposição para o Governo do Estado. Ninguém quer ligação com eles. Líderes da oposição têm uma espécie de alergia a Robinson e Bolsonaro e querem manter distância da figura dos dois daqui para a eleição de outubro.

Há uma preocupação no grupo de que, independente de quem vier a ser escolhido candidato a governador contra Fátima Bezerra, este alguém não seja imediatamente associado nem a um nem a outro. Se associar a Robinson e Bolsonaro é uma estratégia suicida, pela leitura das pesquisas realizadas até agora.

Por isso a oposição queria tanto Ezequiel Ferreira. O presidente da Assembleia Legislativa reúne vários atributos desejados para este candidato de oposição, em especial a tal “independência” quanto ao ex-governador e o atual presidente. Ezequiel tanto sabia disso que fez questão de não estar presente nas últimas agendas de Bolsonaro no Estado. Se queria ser um candidato competitivo a governador, era melhor ficar na dele e não circular ao lado do presidente, a nova Geni.

Com a recusa de Ezequiel, a bola da vez é Fábio Dantas, que ontem quis emplacar uma nova narrativa envolvendo seu nome. Em entrevista à 96 FM, disse que não foi “vice-governador de Robinson”, e sim “vice-governador do Estado” durante a gestão de Robinson.

Quanto o malabarismo para tentar desvincular sua imagem da do ex-governador. Ah, para lembrar: Robinson perdeu até para Brenno Queiroga, hoje pré-candidato a governador pelo mesmo partido de Fábio, em várias cidades do Estado em 2018.

NA BRONCA
Prefeitos que torciam pela candidatura de Ezequiel Ferreira estão mega irritados. Alguns ficaram tão chateados com o recuo do presidente da Assembleia que não querem votar nele mais nem para deputado estadual.

VETO
A possível candidatura de Fábio Dantas a governador pela oposição encontra uma resistência: a do prefeito de Natal, Álvaro Dias.

NÃO SUPEROU
A coluna apurou que Álvaro guarda rancor de Fábio Dantas por causa de uma treta antiga, da época em que os dois eram deputados.

RESTA UM
O ex-governador e ex-senador José Agripino Maia, do União Brasil, não gostou da forma como seu nome foi ventilado para disputar o Governo do Estado. Ficou a sensação de que ele foi “o que sobrou”.

TRÊS A ZERO
Toda a bancada do RN no Senado é a favor da abertura de uma CPI para apurar as denúncias de tráfico de influência envolvendo pastores ligados ao MEC. Jean Paul Prates, Styvenson Valentim e Zenaide Maia assinaram requerimentos para que se investigue a fundo a história.

AMNÉSIA
Bolsonaristas que estão criticando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por incitar militantes a irem às casas de deputados esquecem que, aqui mesmo no RN, movimentos de direita já promoveram protestos na tentativa de encurralar a governadora Fátima Bezerra onde ela mora, em Ponta Negra.

SEM PARTIDO
O prefeito de Parnamirim, Rosano Taveira, vai ficar sem partido por enquanto. De saída do Republicanos, junto com o deputado federal Benes Leocádio, o prefeito não tem pressa para escolher sua nova legenda.

TERCEIRA VIA
Os partidos União Brasil, MDB, PSDB e Cidadania afirmaram nesta quarta-feira 6 que irão anunciar em 18 de maio o nome que representará uma candidatura única das quatro siglas à Presidência da República neste ano.

MANDAR A FATURA
Dirigentes do Podemos prometem cobrar o União Brasil pelos gastos que o partido teve com Sergio Moro enquanto o ex-juiz esteve filiado à legenda comandado pela deputada Renata Abreu. Segundo caciques do Podemos, os cálculos mais atualizados apontam que a sigla gastou R$ 4,9 milhões com Moro.

Fonte: AgoraRN